17 Mar 2016 122
#alimentacao #clubedosono #dicas

A cafeína faz bem ou faz mal?

Muito se tem falado sobre os efeitos desta substância: há quem diga que faz mal e há quem diga que faz bem. Mas quais são os seus verdadeiros efeitos no organismo? Acelera o metabolismo? Tira o sono? Faz bem ao coração? Descalcifica os ossos? O que é verdade e o que é mentira?

É isso que pretendemos saber e é isso que vamos descobrir.

Onde está a cafeína?

A cafeína é consumida há milénios. Há estudos que indicam que já era usada no período paleolítico, ou até pelos chineses no séc. IV a.C.  

O seu uso é generalizado porque a podemos encontrar em vários tipos de alimentos que consumimos todos os dias: no chá mate, na coca-cola (refrigerante), no café, no guaraná (fruto), no chocolate e em muitos mais.

Atenção ao que comem e bebem, dorminhocos, senão não há sono para ninguém!

Cafeína para acordar

Esta substância exerce uma ação estimulante no sistema nervoso central e faz-nos sentir mais despertos e concentrados.  

Quando é consumida em grandes quantidades pode causar irritabilidade, ansiedade, inquietação e insónia. Esta estimulação pode levar à perda de sono porque, uma vez que chega ao cérebro, atua sobre os receptores da adenosina (hormona responsável pela indução ao sono) e exerce uma ação inibidora que nos faz sentir mais despertos.

Cafeína moderada, saúde renovada

A cafeína não faz mal ao organismo desde que consumida com moderação. E quando assim é, esta substância traz consigo bastantes efeitos positivos, já que atua no combate aos radicais livres e, consequentemente, diminui o risco de doenças cardiovasculares e alguns tipos de cancro.

Estudos sugerem ainda que pode prevenir doenças metabólicas como a diabetes, diminui o risco de doenças como Parkinson, Alzheimer, cirrose e pedras da vesícula biliar, além de favorecer a queima de gorduras!  

Quanto à absorção ou não de cálcio, a verdade é que os dados mais recentes revelam que a cafeína não é prejudicial aos ossos, desde que consumida em doses adequadas.   Há quem também defenda que o café pode ajudar no tratamento da depressão, do alcoolismo e da dependência de drogas.

A dose ideal

A diferença entre o remédio e o veneno é a dose, por isso tomem atenção à quantidade que bebem diariamente. O seu consumo moderado — falamos de uma média de 3 cafés por dia —, não está associado a efeitos adversos.

Não têm que cortar no precioso café naquela manhã sonolenta, nem do quadradinho de chocolate naquele dia em que é preciso.

Quanto ao chá à hora de dormir, certifiquem-se que escolhem um chá sem cafeína e que ajude a melhorar a qualidade do sono.
Gostar Partilhar