31 Mar 2016 125
Clube do Sono
#adoroaminhacama #clubedosono

Porque que é que a hora muda?

A mudança da hora é uma história antiga.  

Começa em 1784, quando Benjamin Franklin sugere a mudança horária para poupar velas, mas foi só em 1916 que foi oficialmente implementada também por uma questão de poupança de energia.  

Na altura não davam ao descanso o valor que, nós dorminhocos, damos nos dias de hoje. Dormir bem e confortável é essencial e é por isso que nos questionamos se esta mudança da hora tem alguma influência no nosso bem-estar.

Hora de verão – boa ou má?

Como somos dorminhocos, gostamos muito de dormir e de descansar bem.

Sabemos que esse é um hábito que não queremos perder por nada — e até nos assusta a ideia das noites ficarem aparentemente mais curtas! Sabemos também que o nosso corpo tem um ritmo muito próprio e que o nosso relógio biológico demora tempo a adaptar-se a qualquer tipo de mudança brusca.

A  mudança da hora representa precisamente essa mudança repentina: o relógio avança uma hora e com isso vem o facto de termos que acordar mais cedo e de termos de adaptar as nossas atividades diárias.

Isto pode parecer uma coisa simples — afinal de contas, o que é uma hora no nosso dia? — mas está longe de o ser. 

A nossa saúde tem hora certa

Normalmente é na primeira semana após a mudança horária que os problemas se fazem sentir, já que o nosso organismo demora até 15 dias a adaptar-se a uma mudança.

Não estranhem se nesta altura se sentirem tontos, constantemente com sono, com dores de cabeça, alterações bruscas de humor e até que sintam um desejo constante de doces — sim, porque um corpo cansado e desequilibrado pode pedir açúcar com alguma frequência!  

Aliás, a primeira semana da mudança para a hora de verão pode trazer um aumento do número de ataques cardíacos, acidentes rodoviários e no trabalho.

Como combater os sintomas da mudança de hora?

É possível colmatar os efeitos que esta mudança tem no nosso dia a dia.

Para isso, basta seguirmos algumas dicas:  

Não consumam alimentos estimulantes antes de deitar;
Não bebam líquidos em demasia antes de dormir para não correrem o risco de se levantarem durante a noite para irem à casa de banho;
Não trabalhem nem estudem à noite porque além deste ser um período para dedicar ao descanso, o brilho dos ecrãs dos computadores faz com que tenhamos dificuldade em adormecer;
Não pratiquem exercício de forma exaustiva à noite. O corpo precisa normalmente de 3 a 4 horas para recuperar dos estímulos gerados pelo exercício físico;
Façam exercícios de relaxamento para acalmar a mente;

Agora descansem e relaxem que o Verão está à porta, e se isso implicar que acordemos mais cedo, ao menos que seja por uma boa causa. 
Gostar Partilhar